Chef’s Table não é uma série qualquer sobre comida. É uma série de arte sobre a arte de cozinhar cujos personagens são chefs renomados de diversas partes do mundo. A segunda temporada da série do Netflix, lançada no ano passado, tem estreia marcada para a sexta-feira da próxima semana, dia 27. São seis episódios de 45 minutos, cada um estrelando um chef.

Pela primeira vez a série idealizada pelo americano David Gelb traz um brasileiro como protagonista de um episódio. O trabalho e o universo de Alex Atala, chef-proprietário do D.O.M e do Dalva e Dito, são retratados com direito a viagens à Amazônia, cenas de pesca e bastidores na cozinha.

Além de Atala, também estão na segunda temporada o mexicano Enrique Olvera (do Pujol, Cidade do México), Grant Achatz (Alinea, Chicago), Ana Roš (Hiša Franko, Eslovênia), Dominique Crenn (Atelier Crenn, São Francisco) e Gaggan Anand (Gaggan, Bancoc) – os episódios, já vistos pelo Paladar, estarão disponíveis na próxima sexta-feira, 27.

“Não é exatamente sobre comida, não é exatamente sobre restaurante. É sobre algo mais”, diz o chef americano Grant Achatz, resumindo o espírito da série em uma de suas cenas. Nos episódios, histórias de persistência, criatividade e fracassos pré-sucesso chegam ao espectador antes dos pratos deslumbrantes – e, imagina-se, saborosos. As receitas são resultado da beleza que esses chefs buscaram à sua volta – na natureza, nas tradições de sua cultura e nas suas histórias pessoais.

Para capturar essa atmosfera, as equipes de filmagem passaram cerca de três semanas com cada cozinheiro – na cozinha, em casa, viajando com eles para descobrir de onde vem sua inspiração. Atala vai à Amazônia atrás de tucupi e de pimentas indígenas, caça peixe, degola um pato, volta ao litoral brasileiro para falar de abelhas nativas, visita plantação de arroz no Vale do Paraíba. Olvera mostra em Oaxaca a fabricação artesanal do mole (pasta apimentada mexicana), visita plantação de agave para fabricação de mezcal, mostra tacos e mais tacos.

A francesa Dominique Crenn, radicada nos Estados Unidos, mostra frutos do mar fresquíssimos numa baía perto de São Francisco, enquanto Ana Roš visita uma fábrica de queijo esloveno, que ela amadurece no seu restaurante.

“Foram mais de 20 dias de filmagens, com viagens pelo Brasil, e me impressionou muito a pesquisa que eles fizeram, como estavam preparados. Participar do episódio foi um conforto”, contou Atala ao Paladar.

Olvera diz que as gravações o levaram a questionar seu processo criativo. “Ao fim, nos damos conta de quem somos. Cozinhar tem a natureza de compartilhar e, nesse sentido, o documentário não indaga muito – você compartilha o que você gosta, quem exatamente você é.”

Confira o trailer:

 

COZINHA EM SÉRIE

A série de documentários Chef’s Table, focada no trabalho de chefs renomados, estreou no ano passado, produzida pelo Netflix, serviço de streaming de vídeo que tem mais de 75 milhões de assinantes pelo mundo, e idealizada pelo diretor David Gelb – que também dirigiu o filme O Sushi dos Sonhos de Jiro (2001), disponível no canal.

Na primeira temporada, os episódios foram estrelados por Massimo Bottura (Osteria Francescana, Módena), Niki Nakayama (N/Naka, Los Angeles), Magnus Nilsson (Fäviken, Suécia), Francis Mallmann (El Restaurante Patagonia, Argentina), Dan Barber (Blue Hill, Nova York) e Ben Shewry (Attica, Austrália).

Até o fim do ano, será lançada a terceira temporada, com quatro episódios sobre franceses – Alain Passard (L’Arpege, Paris), Michel Troisgros (Maison Troisgros, Roanne), Adeline Grattard (Yam’Tcha, Paris) e Alexandre Couillon (La Marine, Île de Noirmoutier).

Para a quarta leva de episódios, a irem ao ar em 2017, a escalação inclui Ivan Orkin (Ivan Ramen, Nova York), Jeong Kwan (Chunjinam Hermitage, no templo Baekyangsa, Coreia do Sul), Nancy Silverton (Mozza, Los Angeles), Tim Raue (Tim Raue, Berlim), Virgilio Martinez (Central, Lima) e Vladimir Mukhin (White Rabbit, Moscou).

Fonte: Paladar

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Comentários

comentários